Brasil é o 3º país com o maior crescimento de registro de patentes no mundo. O que isso representa?

Divulgado recentemente em Genebra, na Suíça, o relatório da Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI) apontou que o Brasil é o terceiro país com maior crescimento de registro de patentes. Ficando atrás apenas da Índia e da França. Embora os números ainda estejam longe do ideal, o crescimento deve ser visto como um indicador positivo, pois indica constantes investimentos em inovação e garante que o retorno deste investimento fique por aqui mesmo, fomentando a economia.

Os registros de patentes medem o perfil inovador de um país e impactam no desenvolvimento. Criar uma cultura de patentear e garantir a proteção das inovações tecnológicas gera benefícios para toda a sociedade. Não só conhecimento gerado permite a nossa evolução técnica e científica em diversos setores, como também resulta no oferecimento de produtos e serviços melhores ao consumidor, influenciando diretamente, em muitos casos, na qualidade de vida.

No entanto, não pode-se deixar de lado a demora no processo, ainda um entrave burocrático. A lentidão dos processos impacta na competitividade da indústria nacional e desestimula a inovação e a busca por esta proteção.

A patente é um título de propriedade temporária com ­prazo de validade de até 20 ano sobre uma invenção e 15 anos para modelo de utilidade. É preciso que o inventor tenha a segurança da concessão da patente muito mais rapidamente do que é hoje para que possa exercer seus direitos de uso exclusivo, agindo contra a pirataria.

Para analisar uma marca o prazo é de cerca de 18 meses, já para patente o prazo médio é de 10,8 anos. O maior estoque pendente para a análise de patentes no Brasil se concentra nas áreas de mecânica, biotecnologia e fármacos.


Outros números do relatório

Como curiosidade, a Ásia é o continente com mais solicitações de patentes, marcas comerciais e projetos industriais em 2018, representando dois terços do total. A China lidera o crescimento global na demanda por direitos de propriedade intelectual. O país registrou um recorde de 1,5 milhão de pedidos, que correspondem a 46,4% do total global.

Os Estados Unidos mantêm a liderança em termos de solicitações feitas nos mercados de exportação. O país teve 597.141 solicitações, seguido do Japão com 313.567 e Coreia do Sul com 209.992.


Comunicação Stock Marcas com informações divulgadas pelas Nações Unidas