Como operam as Fintechs no Brasil?

O surgimento de novas tecnologias voltadas ao setor financeiro tem revelado aos bancos tradicionais a necessidade de se reinventarem no atendimento ao público, que está a cada dia mais conectado e sedento de inovações. O conceito de Fintech, por exemplo, descreve empresas inovadoras que trabalham com serviços financeiros diferenciados e eficientes, como empréstimos, seguros e cartões de crédito. Soluções que antes eram oferecidas apenas por instituições bancárias tradicionais e que agora estão disponíveis na internet. 

A Nubank, por exemplo, revolucionou o mercado de cartões de crédito quando facilitou as movimentações e aquisição de um cartão de crédito com bandeira mundialmente conhecida. Todo o processo, desde o pedido até o acompanhamento dos gastos, pode ser feito por um aplicativo, deixando o papel do banco de lado. Além disso, a empresa lançou recentemente a conta corrente digital, também totalmente livre de taxas e burocracias, ainda em fase de testes. 

Mas o que diz a lei?

Em 2013, o Banco Central do Brasil lançou um marco regulatório para o funcionamento de instituições que permitem ao cidadão realizar pagamentos sem o intermédio de instituições financeiras. Contudo, as Fintechs ainda esbarram em algumas questões da legislação brasileira.  Por isso, em agosto deste ano, o Banco Central abriu uma consulta pública para avaliar a norma que dispõe sobre a constituição e o funcionamento da sociedade de crédito direto e da sociedade de empréstimo entre pessoas. A estratégia é regular as Fintechs no Brasil, oferecendo segurança jurídica ao segmento, elevando a concorrência e fomentando a economia nacional.

Imagem: Dragana_Gordic / Freepik