Stock, Estúdio Karen Ferraz e Teor: colaboração para construir uma marca forte

Engana-se quem pensa que para escolher uma marca basta uma ideia diferente. O processo de criação vai muito além do próprio nome, passando por etapas fundamentais como autoconhecimento da empresa e dos sócios, reafirmação da missão e dos valores e viabilidade de registro. Quando um projeto consegue passar por tudo isso e reunir parceiros com os mesmos objetivos, o sucesso é garantido. É o caso da recém lançada Editora Teor, braço de um grupo educacional que conta com um curso pré-vestibular inovador, com foco nas provas do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM).


Além dos livros didáticos do curso, o pontapé inicial da editora foi no dia 5 de maio, com o lançamento da coletânea de poesias "Calma, Já Vai Passar”, de Augusto Britto.


Conheça o caminho trilhado pela Editora Teor e os principais desafios encontrados da concepção ao registro da marca.



O princípio


Tudo começou com a criação de um curso pré-vestibular. Seis professores e sócios chegaram ao mercado com uma proposta diferenciada: um curso preparatório para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Para isso, reestruturaram a tradicional grade de disciplinas e passaram a oferecer os conteúdos de forma interdisciplinar. Trabalhando as competências e colocando o estudante como o verdadeiro protagonista do aprendizado. Os resultados podem ser comprovados pelo alto índice de aprovações de alunos, nos dois anos de atividades.


Do curso, que já produzia seus próprios materiais didáticos, surgiu a necessidade de uma editora. "A teor é uma expressão da nossa forma de fazer educação, buscando experiências de ensino (e agora de leitura!) transformadoras", explica Felipe Pereira, sócio-fundador".



O processo


Para materializar o projeto de uma editora, transformando-a em uma marca, os sócios buscaram o apoio da especialista em branding Karen Ferraz, proprietária do estúdio de design que leva seu nome, e da jornalista e redatora Flávia Mu.


O processo de criação durou pouco mais de três meses. Nesse período, os empreendedores passaram por um processo de autoconhecimento empresarial e individual. Por meio de metodologias aplicadas por Karen e Flávia, eles foram instigados a mergulhar em questões íntimas relacionadas à experiências, sonhos e expectativas. Também reafirmaram o papel da empresa no mundo, com seus valores.


"Começamos com a essência, trazendo à tona os aspectos intangíveis da marca até alcançarmos um grau de consciência e costuras que vão solidificar as estruturas, inclusive para as decisões futuras do negócio", explica Karen.



O significado


Após inúmeras reuniões e dinâmicas que levaram os sócios a compreender e internalizar os propósitos esperados pela marca, chegou-se no nome Teor. "Foi escolhido pela desconstrução que a palavra permite, por não ser fechada. Insinua algo simples, ancestral e atemporal", explica Karen.


O nome também se destacou pela sonoridade, pelo significado e pela relação com o conteúdo.  "O teor das palavras transcende o sentido, alcança o sugestivo e dá forma ao imaginário", define Felipe.


Para representar o nome, o design apostou em algo simples e direto. A letra O, por ter uma sonoridade forte, foi o sinal gráfico com maior destaque. Também porque representa um círculo que remete a pessoas e a vários conceitos do mundo. A marca é minimalista e consegue ser aplicada em diversas linguagens sem perder a personalidade.


A viabilidade


De nada adiantava um nome marcante, que representasse integralmente os preceitos da empresa, se ele não pudesse obter exclusividade de uso, se não tivesse viabilidade de registro. Por isso, a parceria da Teor, com o Estúdio Karen Ferraz contou com outro alicerce desde o início do processo: a Stock Marcas e Patentes. A assessoria da Stock durante o processo de criação assegurou que a marca escolhida também pudesse ser registrada e, assim, garantir segurança para essa marca que começa a dar seus primeiros passos no mercado.


Para garantir a propriedade e a usabilidade do nome foi realizada uma ampla pesquisa em diferentes instâncias. Mais de 70 nomes foram analisados com relação à possibilidade de registro para se chegar à marca Teor. "O projeto que envolve a editora a longo prazo foi um dos fatores importantes para que a estratégia de registro e obtenção de exclusividade de uso fosse traçado", destaca um dos sócios da Stock Marcas e Patentes, Luiz Fernando Stock.